sexta-feira, 6 de junho de 2014

Literatura do "mimimi"

Para quem almeja uma carreira de escritor, é preciso uma lucidez tamanha pra pesquisar informações na internet e se relacionar com outros autores no intuito de ganhar experiência, dicas, etc. É que as frustrações dos outros podem contaminar de uma tal forma que a gente não sabe se admira e aprende com o outro ou se oferece o ombro pra ele. Mas, afinal, o que essa galera reclama?

"Literatura nacional x Literatura internacional"
Quantos livros do "50 Tons de Cinza" a gente depara por aí no ônibus e no metrô? Vários, né? O da vez é "A Culpa é das Estrelas" (ou ACDE pros fãs). A lista é grande e a galera por aqui adora. Quer dizer... Menos alguns autores nacionais tentando fazer carreira. Sei lá, eu também sonho em estar tomando um cafezinho na Starbucks e me deparar com um camarada desconhecido lendo meu livro com aquele olhar imerso nas páginas (Acho que pedirei um autógrafo pra ele de tão emocionado, quando acontecer). Mas, não... A ostentação literária nas ruas é outra e foi dominada pelo estrangeiro mesmo. (Ok, os de autoajuda em qualquer idioma também...)


"Editoras grandes odeiam quem tá começando"
Não, eles não estão falando da Suzana Vieira... Fora a piadinha, esta afirmação também faz parte do "mimimi" e é interessante. Não sei se é porque imaginam as editoras como alguma instituição de caridade e esquecem de que o intuito delas é lucro, ou seja, visão comercial. Elas recebem milhares de manuscritos todas as semanas e priorizam nomes que estão próximas de sua linha editoral e autores que eles acreditem trazer retorno. Não vejo como uma regra absoluta, mas trata-se de uma realidade. Acho que vale a pena a insistência pra quebrar isso e ter um manuscrito, ao menos, lido. O fato é que um autor iniciante é autor iniciante em ambas as editoras - grandes, pequenas ou na autopublicação.

"Editoras pequenas pagam mal"
Não creio... Acho que é mais ponto de vista. É que os 5% de R$500,00 de lucro numa editora pequena são diferentes dos 5% de R$200.000,00 de lucro numa editora conhecida.


"Investir em marketing é caro"
Ah, pior que é mesmo. Não tiro a razão. Aí é rezar pra ganhar mídia espontânea e ter amigos blogueiros bem legais. Nesse fator aí eu também fico meio triste.


Bom... A lista é grande e não se trata de concordar ou não com essas opiniões. A verdade é que não importam as razões pelas quais as reclamações acontecem, mas a forma como elas nos afetam. Eu comentei na minha primeira postagem "Você trabalha além de escrever?"  que a intensidade de uma frustração depende do tamanho das nossas expectativas. Os pés no chão me ajudam a interpretar de forma mais racional essa questão escritor X mercado. Daí, tudo o que vem é lucro e faz valer a pena o esforço. Entre os que reclamam e os que fazem a sua parte, eu fico na segunda turma.




Nota:
Este blog fala sobre uma visão muito pessoal da minha trajetória de autor iniciante. Não existem regras para novos escritores. O percurso de cada um depende de suas escolhas. Você tem dicas pra melhorar esse blog ou alguma experiência relacionada ao post que gostaria de compartilhar?